O Bé-a-bá do Sertão - Paraíba - Insônia: o que os médicos precisam saber sobre diferentes causas e tipos
Saúde 28.09.2019 - Distúrbios do sono:

Insônia: o que os médicos precisam saber sobre diferentes causas e tipos

     
Compartilhe

Insnia: o que os mdicos precisam saber sobre diferentes causas e tipos

Três em cada quatro latino-americanos sofrem com distúrbios relacionados ao sono. Entre esses problemas, a insônia é o transtorno mais comum, afetando entre 30% e 40% das pessoas em algum momento da vida. O tratamento da insônia depende, em especial, da mudança de hábitos. Em casos persistentes, entretanto, é necessário empregar medicação, o que exige atenção redobrada por conta dos riscos atrelados a muitos fármacos.

As noites mal dormidas afetam não apenas o descanso, mas também o bem-estar cognitivo. Quando o indivíduo dorme, suas memórias se transformam, deixando de ser temporárias e transformando-se em duradouras. “Alguns elementos são responsáveis por isso, tais como as fases do sono e os neurotransmissores cerebrais envolvidos”, explica a neurologista Andrea Bacelar, presidente da Associação Brasileira do Sono(ABS), em entrevista à Revista SONO.

Dormir bem garante, também, o melhor funcionamento da memória declarativa. O ato fortalece o armazenamento e a retenção de novas informações(como fatos e conteúdos estudados), além de otimizar processos internos do cérebro(como associações de dados, dedução e criação de ideias).

Para se qualificar profissionalmente no assunto, conheça as atualizações em Medicina desenvolvidas pelas principais sociedades científicas da área.


Causas
A dificuldade para dormir ou permanecer dormindo tem origem multifatorial. Consideram-se aqui aspectos físicos, psicológicos e sociais. Mas a relação causa-consequência entre a insônia e a ocorrência de transtornos psiquiátricos(como ansiedade e depressão) ainda não é clara – pois compartilham sintomas como fadiga, cansaço e falta de foco.

A insônia pode ocorrer isoladamente ou decorrer de fatores ambientais. Entre eles, destaque para o uso de estimulantes, hiperestimulação sensorial durante a noite ou até mesmo o uso de um colchão ruim. Além disso, deve-se considerar a influência de dor crônica, consumo de medicamentos e trabalho em turnos alternados ou não habituais.

A disfunção, no entanto, é mais comum entre mulheres no climatério(fase de transição do período reprodutivo para o não reprodutivo), por conta das alterações hormonais e emocionais naturais desse processo.

Idosos também estão entre os mais afetados. Em especial, aposentados, inativos e viúvos. “Esse público apresenta alterações comportamentais, hábitos inadequados e alterações do ritmo circadiano”, explica o neurologista Luciano Ribeiro. Ritmo circadiano é o nome que se dá ao período de aproximadamente 24 horas no qual se baseia o ciclo biológico dos seres vivos.


Tipos de insônia
Aguda: é a dificuldade em dormir que dura até três semanas e é provocada por algum acontecimento recente que cause estresse. É o caso, por exemplo, do falecimento de uma pessoa próxima ou de problemas no trabalho;

Crônica: é mais comum em pacientes de faixas etárias mais avançadas. Ocorre várias vezes em um período de, no mínimo, dois anos, e dura pelo menos três dias. Por ter causas mais complexas, demanda uma abordagem clínica sistematizada, além de diagnóstico e tratamento precoces.



Para além da clássica classificação de leve, moderada e grave, dentro de cada tipo de insônia há cinco variações. É o que concluiu um estudo recente do Instituto de Neurociência da Holanda. A constatação toma como base diferentes reações a estímulos ambientais, de acordo com a análise de eletroencefalogramas, sintomas e respostas ao tratamento. Confira:

1. Insones têm tendência à tensão, neurose e ansiedade;

2. Moderadamente estressados, com forte resposta a recompensas(sensibilidade à sensação de prazer) e acontecimentos positivos;

3. Moderadamente estressados e não respondem fortemente a recompensas e acontecimentos positivos;


4. Pouco estressados, mas com alta sensibilidade a acontecimentos estressantes;

5. Pouco estressados e baixa reação a acontecimentos estressantes.


Para identificar corretamente os tipos de insônia e, assim, conduzir o tratamento adequado, o primeiro passo é realizar uma boa anamnese.

                       

Deixe o seu comentário







Respeitamos o direito de opinão e expressão. O espaço para comentários é um espaço democrático destinado às opiniões relativas ao texto originalmente publicado.
Não serão publicadas quaisquer mensagens com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou, ainda, que desrespeitem a privacidade alheia, que tenham caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas, ou, ainda, que tenham linguagem grosseira e/ou obscena.
Não serão publicados comentários que tentam se aproveitar deste espaço democrático para “destacar” outros sítios ou blogues ou, ainda, que tenham por objetivo comercializar produtos ou serviços.
Comentários anônimos, desconexos ou sem sentido em relação ao tema comentado também serão descartados.




Copyright © 2002/2019 - O Bê-á-bá do Sertão - Todos os direitos reservados
Contatos: (0xx83) 99967.1500 - Paraíba - Brasil
E-mail para contatocomercial@obeabadosertao.com.br