Ronilson Paz

Tempo de leitura: 2 minutos

Bacharel Graduado em Ciências Biológicas. Mestre em Ciências Biológicas. Especialista em Fundamentos da Educação (UEPB/2014) e em Educação de Direitos Humanos (UFPB/2015). Doutorando em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA/UFPB). Analista Ambiental (IBAMA). Professor das disciplinas de Ciências e de Biologia. Editor-chefe da Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade e Editor-in-chief da Brazilian Journal of Biological Sciences.

 

Visitação na Área de Proteção Ambiental do Náufrago Queimado como atração turística da Paraíba.

As unidades de conservação são áreas definidas por órgãos governamentais, para a proteção e conservação da biodiversidade e/ou beleza cênica da área existente no local. Considerando estas premissas, a elaboração de um plano de visitação para as unidades de conservação do Estado da Paraíba poderia ser um instrumento que poderia alavancar o ecoturismo no estado.

A Área de Proteção Ambiental do Náufrago Queimado é uma unidade de conservação criada pelo Decreto nº 38.931/2018 do Governo da Paraíba, que tem como objetivos proteger a diversidade biológica marinha, através do disciplinamento do processo de ocupação e contribuindo com a organização das atividades econômicas compatíveis com a conservação ambiental, bem como assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais e protege o patrimônio arqueológico marinho, em especial as embarcações naufragadas conhecidas por Alice, Alvarenga e Queimado.


Fauna encontrada nos naufrágios da Paraíba. (A) Presença de cardume associado a estrutura do naufrágio; (B) Raia prego (Dasyatis americana); (C) Polvo; (D). Tartaruga Verde (Chelonia mydas).


O navio naufragado Queimado, que dá nome à unidade de conservação, foi construído em 1967 e era utilizado para realizar troca de correspondências entre Brasil e os Estados Unidos até pegar fogo e afundar próximo à Praia de Tambaú, em João Pessoa. Além desta embarcação há outras que são conhecidas dos mergulhadores que frequentam a região.

A ideia é produzir um plano de visitação da Área de Proteção Ambiental do Náufrago Queimado que pudesse estimular os turistas para a região, que favoreceria a ocupação hoteleira, principalmente na época da estiagem e orientasse os visitantes sobre as razões históricas da presença das embarcações Alice, Alvarenga e Queimado na área. Além disto, este plano poderia fornecer emprego e renda para a população local que poderia vender lembranças sobre as embarcações, bem como movimentar o serviço de mergulho.