Terceira colocada na consulta da UFERSA toma posse domingo anunciando reitorado

Em 27/08/2020

Tempo de leitura: 5 minutos

A reitora nomeada da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) Ludimilla Carvalho Serafim de Oliveira assume efetivamente o cargo no próximo domingo(30Agosto2020).

O Ministério da Educação orienta a não haver qualquer evento ou solenidade de transmissão de posse, por conta da pandemia. A Professora explicou que não haverá solenidade. “A posse hoje é apenas uma assinatura eletrônica no sistema”, explicou.

O atual reitor Arimatea Matos se despede da Ufersa já nesta sexta-feira (28Agosto2020), numa solenidade transmitida virtualmente.

Anúncio

Em discurso proferido durante a entrega de 300 unidades habitacionais no residencial que leva o mesmo nome da cidade de Mossoró(RN), na sexta-feira(21Agosto2020), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aproveitou a passagem no Rio Grande do Norte, para anunciar a nomeação da professora Ludimilla Carvalho Serafim de Oliveira como reitora da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA).

Também quero dar uma boa notícia aqui: acabou de publicar no Diário Oficial da União a posse da professora Ludimilla como reitora da Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Boa sorte à senhora. A senhora tem um grande papel pela frente. O que liberta o homem e a mulher é o conhecimento e com conhecimento nós atingimos todos os nossos objetivos“, declarou o presidente.

A lista tríplice da UFERSA foi encaminhada ao Ministério da Educação e à presidência da república tem o poder de escolha, independentemente da posição entre os três nomes.

Graças a Deus e a um conjunto de competências que nós reunimos durante a nossa trajetória na universidade, participamos de uma consulta, a lista foi enviada à presidência da República e o presidente nos escolheu para ser a primeira mulher reitora em 53 anos de história da Esam-Ufersa“, falou Ludimilla durante evento da comitiva do presidente em Mossoró.

A nova reitora disse que vai “dialogar com todas as pessoas” e “agregar“. “Nós estamos dispostos a trabalhar, fazer o melhor, com parcimônia, com paz, e cumprir a nossa missão, não só como primeira mulher como reitora em 53 anos de história de Ufersa, numa terra pioneira como Mossoró. Não é somente ser a primeira. É deixar um legado, fazer história com educação no Rio Grande do Norte“, lembrou.

Questionada sobre a primeira missão à frente da instituição, a professora frisou que “o desafio é vencer as dificuldades de todo o processo de retorno às aulas“, suspensas por causa da pandemia do novo coronavírus. “Fomos desafiados a viver uma realidade que não estávamos prontos“, completou.

Entrevistas

Em conversa mantida como o jornalista potiguar Saulo Vale, no dia 16 de Junho de 2020, a professora Ludimilla Oliveira, pontuou:
A senhora acha que o mais votado, nesse caso o professor Rodrigo Codes, deve ser o escolhido pela presidência da República para reitoria da universidade?.
Eu vou ser bem sincera com você. A nomeação está unicamente nas mãos do presidente da República. Dizer que o mais votado tem que ser o escolhido é ir contra o processo democrático. O resultado não representa a democracia. Lutamos contra uma máquina avassaladora. As pessoas estavam com medo, amordaçadas. Havia um silêncio. Ninguém queria falar porque tinha medo (de retaliação). Eu sinceramente acho demagogia defender a nomeação do mais bem votado. Cabe ao presidente da República a escolha e não há nada de ilegal em nomear quem não teve a maioria de votos“, afirmou.
Mas a senhora vai lutar para ser nomeada?
Não preciso. Meu currículo já me credencia a isso“.
A senhora aceitaria ser nomeada?
Eu aceito o cargo, caso seja nomeada, sim. A democracia está em qualquer um dos nomes da lista tríplice ser nomeado. Pode colocar. Eu, Ludimilla Carvalho Serafim de Oliveira, aceito o cargo, caso seja nomeada pelo presidente, porque não há nada de ilegal nisso“.
Noutra entrevista concedida em 23 de dezembro de 2019, o jornalista potiguar César Santos questionou:
– O PRESIDENTE Jair Bolsonaro não é muito afeito a respeitar a ordem da consulta das instituições. Ele já fez isso agora recentemente com a escolha do procurador-geral da República, em que o primeiro colocado da lista não foi o nomeado pelo presidente, e nas universidades, principalmente, ele tem mostrado que vai interferir sim. Essa postura preocupa, num momento do processo de escolha, escolha democrática que a que a comunidade acadêmica pode fazer?

“SENDO bem clara e objetiva: não é para preocupar, porque a prerrogativa de nomeação sempre foi do presidente da República. Depende muito de quem está à frente da situação. Para cada caso de nomeação, nós temos um caso a ser analisado. O modo como se faz a consulta de acordo com aquela normativa, já por passar pelo Conselho Universitário, já passa por um crivo de regulamentação, então vai ser regulamentado no campo institucional, segue a lista e a prerrogativa está nas mãos realmente do presidente da República, é uma prerrogativa constitucional, que está nas mãos dele, então depende muito de cada presidente da República. É até difícil falar nessa interferência, é um paradoxo quando se coloca interferência de respeito à lista, porque quando você coloca interferência no respeito à ordem da lista, você está dizendo que há uma ilegalidade e, de certa forma é muito claro que a prerrogativa está lá, sempre as nomeações foram assim”.

Lista Tríplice

Ludimilla Oliveira computou 18,33% dos votos da comunidade acadêmica na consulta à Lista Tríplice realizada no dia 15 de junho. Ela ficou em terceiro lugar, atrás de Rodrigo Codes (37,55%) e Jean Berg  (24,84%).

Ela também anunciou quais serão os membros da equipe.

Perfil

Mossoroense, Ludimilla é graduada em Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), possui especialização em Direito Ambiental, Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Rede Prodema e Doutorado em Arquitetura e Urbanismo pelo da Universidade Federal do RN (UFRN).

É ainda membro da Academia Mossoroense de Letras (AMOL), da Academia de Ciências Sociais e Jurídicas de Mossoró (ACJUS) e do Instituto Histórico e Geográfico do RN (IHGRN).


Tags: Ludimilla Carvalho Serafim de Oliveira, MEC, Reitora Ludimilla, UFERSA, Universidade Federal Rural do Semiárido