“Paulo Guedes não gosta de mim”, diz Rodrigo Maia

Em 07/09/2020

Tempo de leitura: 1 minuto

Nesta última sexta-feira (04Setembro2020), o presidente da Câmara Federal, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), reclamou do tratamento recebido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

A declaração de Maia foi feita durante coletiva de imprensa na Câmara dos Deputados. Maia afirmou que a relação entre os dois está rompida e uma reconciliação, neste momento, é ‘perda de tempo’ pois considera que o ministro da Economia, Paulo Guedes, não gosta dele. O deputado do DEM deixou claro ainda que rompeu relações e não pretende buscar uma reconciliação.

Eu não tenho conversado com o ministro Paulo Guedes. Ele tem proibido a equipe econômica de conversar comigo. Ontem, a gente tinha um almoço com o Esteves Colnago e com o secretário do Tesouro para tratar do Plano Mansueto, e os secretários foram proibidos de ir à reunião“, afirmou.

Questionado se o ministro da Economia já o havia procurado, Maia disse: “Nem precisa (tentar reconciliação). Agora já fiz todas as minhas tentativas. Eu sou um político paciente, mas acho que a gente vai perder tempo. De fato, o Paulo Guedes não gosta de mim. Se a pessoa não tem uma boa relação, não adianta perder tempo”, declarou.

Guedes não apareceu na cerimônia de entrega da proposta do governo de reforma administrativa na Câmara. O desgaste da relação é evidente desde o início do governo, quando a reforma da Previdência foi apresentada ao Congresso.

Contudo, Rodrigo Maia garantiu, na entrevista, que o rompimento não vai contaminar a tramitação da reforma administrativa. Ele tratará sobre as pautas do Executivo, a partir de agora, com o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

Com Ramos a relação só melhora, porque ele é um bom articulador. O problema que Guedes tem comigo… (risos) não pode, de forma alguma, prejudicar o país”, afirmou.


Tags: Câmara dos Deputados, Esteves Colnago, Luiz Eduardo Ramos, Ministro da Economia, Paulo Guedes, Presidência da Câmara Federal, Presidente da Câmara, Reforma administrativa, Rodrigo Maia, Secretaria de Governo, Secretário do Tesouro