Interesses ocultos usam meio ambiente para prejudicar país, diz Ministro Heleno

Em 22/09/2020

Tempo de leitura: 1 minuto

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, disse nesta segunda-feira (21Setembro2020) que o debate sobre o meio ambiente tem sido distorcido por nações e personalidades estrangeiras com o objetivo “obviamente oculto, mas evidente, de prejudicar o Brasil e derrubar o governo (do presidente Jair) Bolsonaro”.

Heleno e outros ministros do governo participam,  de audiência pública convocada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o estado atual das questões ambientais no Brasil.Sem citar nenhum país ou entidade específica, Heleno também disse que potências estrangeiras e organizações não governamentais usam argumentos falsos e dados fabricados e manipulados “para nos apresentar como vilões do desmatamento e do aquecimento do planeta”. Ele afirmou ser “preciso deixar claro que a Amazônia brasileira nos pertence”.

O ministro comentou ainda o aumento das queimadas na região amazônica, afirmando haver causas naturais que favorecem o fenômeno. “É importante ressaltar que o assunto é altamente polêmico. Não há comprovação científica de que o aumento de incêndio nas florestas primárias decorra de inação do governo federal. Na verdade, elas têm a ver com fenômenos naturais, cuja ação humana é incapaz de impedir”, disse o ministro do GSI.Heleno foi apoiado pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, que falou em seguida. “Logicamente o aumento da temperatura do planeta causa uma melhor condição para que existam queimadas, ou seja, propicia um número maior de focos de incêndio no planeta inteiro, assim como a própria meteorologia, fenômenos como o El Niño, também interferem nos períodos de chuva e na maior incidência de queimadas”, disse ele.

* Agência Brasil.

Tags: Augusto Heleno Ribeiro Pereira, General Augusto Heleno, GSI, Luís Roberto Barroso, Marcos Pontes, Ministro da Ciência e Tecnologia, Ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Queimadas na região amazônica, stf, Supremo Tribunal Federal