Relatório indica que desmatamento foi maior nos últimos 10 anos

Em 28/05/2020

Tempo de leitura: 2 minutos


O desmatamento na Amazônia Legal foi o maior registrado no mês nos últimos 10 anos, apontou boletim do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia(Imazon) divulgado na segunda-feira(18Maio2020).

O estudo, a partir de dados do Sistema de Alerta do Desmatamento(SAD), mostra que foram desmatados 529 quilômetros quadrados em abril de 2020, um aumento de 171% em relação a abril de 2019, quando somou 195 quilômetros quadrados.

Em abril deste ano, desmatamento se concentrou nos Estados do Pará(32%), Mato Grosso(26%), Rondônia(19%), Amazonas(18%), Roraima(4%) e Acre(1%). Mais da metade do desmatamento ocorreu em apen. Altamira e São Félix do Xingu, no Pará, e Apuí, no Amazonas, ocupam o topo dessa lista.

De acordo com o boletim, 60% do desmatamento registrado em abril de 2020 ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante foi em Unidades de Conservação(22%), assentamentos(15%) e terras indígenas(3%).

Considerando o período de janeiro a abril, foram desmatados 1.073 quilômetros quadrados, um crescimento de 133% em relação ao mesmo período de 2019, quando o desmatamento totalizou 460 quilômetros quadrados.

2019
Ao longo do ano passado, diversos relatórios apontavam aumento nos índices de desmatamento na Amazônia. Agora, um relatório inédito mostra que 99% desse desmatamento foi ilegal.

O documento em questão é o Mapbiomas, uma iniciativa que reúne diversas entidades, como ONGs e empresas de tecnologia. Segundo reportagem do Fantástico, ele analisa todos os alertas de desmatamento gerados por satélites de várias fontes e chegou a 56 mil pontos de desmatamento em todo o país.

O crime ambiental atingiu todos os biomas do Brasil, mas o Cerrado e a Amazônia sofreram os maiores impactos. De acordo com a publicação, do total de alertas, 11% foram registrados em unidades de conservação e quase 6% em terras indígenas.

"99% de todo o desmatamento que aconteceu no Brasil não é regular: não tinha autorização ou estava em áreas que jamais poderiam ter sido desmatadas. Em outras palavras, a gente poderia dizer que são ilegais", disse o pesquisador ouvido pela reportagem do programa exibido na noite desse domingo(24Maio2020), na TV Globo.

Clique aqui e confira o vídeo da reportagem.