Alta no preço dos materiais de construção provocará aumento no custo de imóveis

Em 11/09/2020

Tempo de leitura: 1 minuto

Nos últimos dias, o valor dos materiais de construção civil vem assustando. O efeito da alta do cimento, aço, tijolo, telhas e tubos de PVC pode refletir no custo de apartamentos e casas. Especialistas do setor imobiliário preveem elevação de até 5% no preço desses imóveis entre o final de setembro e o início do mês de outubro.

A justificativa para encarecer os produtos é a escassez deles no mercado devido à queda de produção nas indústrias e ao aumento da procura. Por isso, não é possível, ainda, estimar se o reajuste vai perdurar até 2021. Mas o repasse imediato é inevitável, segundo empresários do setor e consultores na área.Com a pandemia do novo coronavírus, esperava-se uma retração do segmento, mas ocorreu o oposto. Várias indústrias se desmobilizaram pensando que o setor passaria por uma recessão, e o que aconteceu foi o contrário. Aumenta a demanda, reduz a oferta, os preços sobem.

O preço dos imóveis aumentará devido ao planejamento das construtoras. Um empreendimento planeja uma margem de rentabilidade mínima.Quando os custos sobem, essa rentabilidade vai ter de aumentar na mesma proporção para que o empreendimento permaneça viável. Com certeza, haverá um impacto.

Considerando a inflação oficial do país, de acordo com dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgados pelo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os acumulados de alta em 12 meses foram 4,52% nos materiais de construção e 2,89% na mão de obra.

Quando se trata de insumos importantes para as obras, o cimento teve incremento de 10,7%; o tijolo, de 16,8%; a areia, de 4,8%; e a telha, de 2,9%.

Confira os números do IBGE sobre os preços dos principais insumos da construção:

Tijolo: 16,86%
Cimento: 10,67%
Tinta: 5,77%
Areia: 4,77%
Ferragens: 3,07%
Telha: 2,86%
Material hidráulico: 2,56%
Material de eletricidade: 0,96%
Revestimento de piso e parede: 0,71%
Mão de obra: -0,03%
Pedras: -2,79%
Madeira e taco: -4,04%
Vidro: -6,5%

Preços para construtoras

Em levantamento de construtoras que atuam na área imobiliária e precisam adquirir produtos todos os dias, o concreto aumentou 9,75% entre maio e agosto.

No mesmo período, o aço cortado e dobrado subiu 10%; o cimento, 21,01%.

Já o quilo do alumínio teve salto de 33,93%; e os fios de cobre, 48,48%.


Tags: Apartamentos, Areia, Casas, Cimento, Construção Civil, Ferragens, IBGE, Inflação oficial, Madeira e taco, Mão de obra, Material de eletricidade, Material hidráulico, Pedras, Preços dos imóveis, Revestimento de piso e parede, Setor imobiliário, Telha, Tijolo, Tinta, Tubos de PVC, Vidro