Padre depõe na Polícia Civil e diz que mentiu sobre o suposto sequestro

Em 26/10/2020

Tempo de leitura: 3 minutos

O padre José Gilmar, pároco da Igreja Santa Teresinha, no bairro do Roger em João Pessoa (PB), que desapareceu na última terça-feira (13Outubro2020) e foi encontrado no final da tarde da sexta (16Outubro2020), às margens de uma rodovia nas imediações do Mirante da Praia de Tambaba, no Litoral Sul do Estado da Paraíba, declarou a Polícia Civil que não foi sequestrado, desfazendo a versão apresentada pelo religioso quando foi encontrado.

Anteriormente o Padre José Gilmar quando compareceu a Central de Polícia, narrou de que teria sido abordado e amarrado e que teria sido abandonado em um cativeiro, no meio de uma mata, e que desde então ficou tentando achar o caminho de volta para casa. Ele chegou a agradecer a Deus e aos fieis pelas orações e contou que ficou em um cativeiro e conseguiu se soltar e tentou voltar para casa.

Em entrevista coletiva prestada na manhã desta segunda-feira (26Outubro2020), o Delegado de Polícia Civil Luciano Soares, Titular da 1ª Superintendência de Polícia Civil da Paraíba afirmou que o Padre apresentou uma nova versão dos fatos, desta feita narrando que estaria sendo extorquido por uma pessoa a qual lhe impôs um prazo para que o religioso fizesse um depósito em dinheiro, o que motivou o mesmo a entrar em desespero e a tentar suicídio.

Segundo o Delegado de Polícia Civil Luciano Soares, o Padre decidiu por fim a sua vida indo ao mar, várias vezes, tentar se afogar, no entanto ele não conseguiu e que num dado momento as ondas o jogaram na areia o que levou o religioso a entender como um sinal de Deus para que ele não praticasse o gesto extremo.

Sobre as novas informações, Luciano Soares na entrevista coletiva afirmou que diante do depoimento os fatos serão analisados pela equipe de investigação da Delegacia de Homicídios e que agora uma nova equipe vai se debruçar com essa nova versão do Padre para ter uma certeza se ele continua apresentando depoimentos fantasiosos ou se de fato se redimiu e está agora falando a verdade.

Ele temia que algum mau acontecesse a ele, razão pela qual, ele num gesto de desespero, no momento que essa pessoa que ele atribui com sendo o autor da extorsão, teria dado um prazo a ele, naquele dia 13 (outubro2020) até as 14h00m, para que ele resolvesse a pendência“, pontou o Delegado Luciano Soares sobre a versão do Padre.

Versão anterior

Na versão anterior apresentada em depoimento, o Padre afirmou que havia saído da paróquia em direção a uma casa de velório para encomendar e fazer algumas orações relacionadas ao ato do velório e do encaminhamento do morto para sepultamento.

A Polícia resolveu investigar e entrou em contato com a casa mortuária e fez um levantamento de todos os velórios que foram realizados na terça-feira(13Outubro2020), bem como entrou em contato com todos os familiares, no que restou constatado que ele não compareceu em nenhum dos velórios. Após a constatação da ausência do religioso nos velórios e de outras diligências, os investigadores optaram por agendar uma nova oitiva para que o Padre pudesse melhor detalhar o ocorrido.

A oitiva resultou num espaço de quatro horas de depoimentos, tendo o Padre explanado tudo o que a Polícia Civil já tinha conhecimento e que mentiu no primeiro depoimento.

O Padre revelou novos detalhes sobre o sumiço, desta feita justificando que saiu transtornado da paróquia com a finalidade de dar cabo a própria vida e por não saber nadar muito bem, optou pelo meio de afogamento num mar muito revolto, tendo escolhido a Praia de Coqueirinho.

O delegado Vitor Melo confirmou que o padre Gilmar foi vítima de extorsão e foi cobrada a ele a quantia de R$ 50 mil. O motivo da extorsão e ameaças ficarão sob sigilo e a investigação continua, ainda segundo informou o delegado.

O padre Gilmar foi vítima de extorsão por situações que ocorreram antes da vinda do sacerdote à Paraíba, segundo confirmou o delegado Vitor Melo. O religioso é natural de São Paulo.

O religioso foi indiciado por denunciação caluniosa e falsa comunicação do crime. A diocese não emitiu nenhum nota oficial sobre o assunto, limitando-se a informar que está se inteirando dos fatos através da assessoria jurídica e que o Padre foi afastado das atividades sacerdotais para tratamento de saúde.


Tags: 1ª Superintendência de Polícia Civil da Paraíba, Bairro do Róger, Central de Polícia, Delegacia de Homicídios, João Pessoa (PB), Padre José Gilmar, Pároco da Igreja Santa Teresinha, Polícia Civil PB, Praia de Coqueirinho