Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona

Em 03/11/2020

Tempo de leitura: 2 minutos

O Brasil é campeão no número de cirurgias íntimas realizadas no mundo. Só em 2016, mais de 25 mil brasileiras passaram pelo procedimento na vagina, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). Especialistas acreditam que corrigir ou melhorar aspectos na região íntima não é mais um tabu entre as mulheres e é por isso que  reunimos as informações necessárias para as interessadas.

Uma das primeiras questões que surgem ao cogitar um procedimento estético é “quanto vai custar” essa mudança. O valor varia de acordo com o procedimento, mas fica geralmente entre R$ 3 mil e R$ 6 mil. Convênios médicos costumam cobrir apenas a redução dos pequenos lábios e o restante deve ser pago pela paciente. Já o Sistema Único de Saúde (SUS), só cobre custos de procedimentos reparadores, “quando há danos adquiridos ou hereditários”.

O procedimento mais buscado é a labioplastia dos pequenos lábios. O procedimento é simples, tem duração de uma a duas horas, e exige internação de 24 horas. As atividades normais leves podem ser retomadas em três dias. Essa cirurgia é indicada para qualquer mulher insatisfeita com a aparência estética da sua vagina, que sentem dores durante relações sexuais e incômodo ao usar algumas vestimentas mais apertadas.

Como funciona a redução dos pequenos lábios

O procedimento é feito sob anestesia local e sedação. Primeiro, o cirurgião usa um bisturi para retirar todo o excesso de carne que se projetam além dos grandes lábios. A anatomia “normal” é que os grandes lábios cubram os pequenos por completo. Depois do corte, o especialista faz pontos absorvíveis, ou seja, que não precisam ser retirados e a paciente é liberada. O médico pede cerca de três visitas pós-operatórias para acompanhamento e pausa nas atividades sexuais por quatro semanas.

Outros procedimentos

O enxerto com gordura nos grandes lábios também está entre os procedimentos de cirurgia íntima mais buscados.

Cirurgiões plásticos podem fazer “correção” do clitóris seja de tamanho acima do normal e reconstrução do hímen, exemplificou o especialista. Há também tratamentos a base de laser dentro do canal vaginal, que rejuvenescem a mucosa, melhorando o tônus e estreitando o canal.

O primeiro passo para descobrir quais procedimentos são necessários para melhorar a “relação íntima” é passar por uma avaliação com ginecologista.

 


Tags: canal vaginal, cirurgias íntimas, Cirurgiões plásticos, enxerto com gordura, grandes lábios, labioplastia, pequenos lábios, SBCP, Sistema Único de Saúde, Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, SUS, vagina